methaodos.congresos, II CONGRESO INTERNACIONAL DE ESTUDIOS CULTURALES INTERDISCIPLINARES

Por defecto: 
“Marcadas como boi”: estigma e vulnerabilização de mulheres soroposithivas
Claudiene Santos, Elaine de Jesus Souza, Bruna Gomes de Oliveira

Última modificación: 2020-01-01

Resumen


Embasado nos campos de Estudos Culturais e Estudos de Gênero pós-estruturalistas, este trabalho teve como objetivo analisar narrativas de mulheres soroposithivas, visando compreender como são construídos seus processos de subjetivação, vulnerabilização e corporeidade ao con-viver com HIV/AIDS. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 4 mulheres que integram uma Organização Não Governamental (ONG) em Aracaju/SE, Brasil. Por meio da análise cultural, observamos que o maior agravante da vulnerabilização é constituído pelo estrito espaço de suas relações pessoais, principalmente no que diz respeito à relação conjugal associada à (in)fidelidade e à rede social de apoio. Todas foram contaminadas por seus parceiros, em relações heterossexuais monogâmicas, em que não havia uso de preservativo. Foram evidenciadas situações de vulnerabilização decorrentes da naturalização das assimetrias nas relações de gênero, solidão e reclusão social. Estigmas em torno da AIDS, preconceito sofrido e o sentimento de traição foram apontados pelas mulheres como aspectos negativos no con-viver com HIV/AIDS. Em contraponto, as participantes ressaltaram o fortalecimento para o enfrentamento à doença, propiciado pelo grupo de apoio e acolhimento dos profissionais de saúde. O cuidado dos filhos, a religiosidade e os laços de afeto na ONG foram citados como motivos para viver. A feminização da AIDS, em decorrência de condutas de risco de parceiros incita à compreensão das narrativas apresentadas, com o intuito de subsidiar tanto o desenvolvimento de medidas preventivas, que visem à redução da vulnerabilização quanto o aprimoramento dos serviços voltados à saúde de mulheres soroposithivas e sua (re)inserção social.



Palabras clave


AIDS, género, cuerpo, cultura, vulnerabilidad.